Uma Mensagem para o Futuro

1, set, 2021 | Artigos | 0 Comentários

Por Diogo Fontana

Não é possível ficar indiferente aos escritos de Jeffrey Nyquist. As análises políticas e os prognósticos manifestos em seus artigos e livros provocam incômodo e insatisfação. Ele não traz boas notícias sobre o futuro, não escreve para agradar. Seu compromisso é com a sinceridade e com a mais estrita honestidade intelectual.  Acaba sendo quase natural, portanto, neste tempo de frivolidade e otimismo histérico, em que impera a autoilusão hipnótica de que tudo está bem e acabará bem, que a sua voz seja negligenciada e desvalorizada, mesmo nos círculos políticos e intelectuais anticomunistas e conservadores, onde, por uma questão de sobrevivência, suas ideias deveriam mais prosperar.

Conheci os textos de Jeffrey Nyquist há cerca vinte anos, quando ele ainda tinha espaço em think tanks e sites independentes americanos como Newsmax e World Net Daily. De imediato, à primeira leitura, percebi a gravidade e as implicações trágicas das informações que ele trazia, além da solidez dos seus diagnósticos, facilmente verificáveis como correspondentes aos fatos. Estava logo claro para mim: aquele homem sabia do que está falando, aquele homem merecia a máxima atenção.

Deu-se, porém, com ele, o ostracismo jornalístico, sua voz foi abafada, seus escritos desterrados. Isso não me espanta, é justamente o que costuma acontecer, desde o Antigo Testamento, aos profetas mais inconvenientes, aqueles que anunciam a iminência da destruição. Pois Jeffrey Nyquist vem anunciando a iminência da destruição, a grande destruição. Estudioso profundo, homem de grande erudição e amplo interesse intelectual, além de excelente prosador, tudo quanto ele escreve, por mais que seja “ineficaz” para mudar o curso dos acontecimentos históricos, é um documento vivo da cegueira de pelo menos duas gerações do Ocidente, uma gente que vendeu o futuro em troca de prosperidade presente.

Decidi publicar uma compilação de artigos de Jeffrey Nyquist por duas razões: primeiro, para bem informar uma parcela ínfima da população brasileira acerca do que o futuro nos traz, ajudando-a, assim, a se antecipar aos fatos e se preparar para o tranco; segundo, pela vaidade de registrar em livro aquilo que considero previsões verdadeiras, as quais, no momento em que os acontecimentos se precipitarem, e o mundo entrar em grande convulsão, proporcionar-me-ão o prazer – mesquinho, admito – de bradar aos meus pasmos contemporâneos: “eu avisei, Jeffrey Nyquist avisou, lá atrás, nem todo mundo estava dormindo”.

 

 

Inscreva-se em nosso canal no Telegram: https://t.me/editoradanubio
 
Siga-nos também no Instagram: https://www.instagram.com/danubioeditoraa/  
Artigos recentes

Mito e Apocalipse

Nós, modernos, preferimos acreditar que o passado era inteiramente primitivo, que o progresso foi gradual e “evolutivo”. Preferimos acreditar que não houve Era Dourada, nem gigantes ou heróis, nem dilúvio, nem mundo antediluviano.

O Dia do Juízo (conto)

Depois de quarenta minutos, porém, algo de novo pareceu acontecer, uma insinuação, um detalhe, uma disputa, que elevou o tom de voz, e despertou do torpor um segurança, a taquígrafa e o cameraman da TV Justiça.

O Saxofonista (conto)

Ao chegar à entrada do Theatro Municipal, acomodou-se na escadaria, observando o movimento na Praça Floriano. Começou a ensaiar um adágio apalpando a dedeira em movimentos suaves, pincelando a clavícula com o queixo.

As Mentiras em que Acreditamos

R$67,90

Em estoque

Detalhes do autor

Diogo Fontana

Nasceu em Curitiba em 1980. É autor do livro “A Exemplar Família de Itamar Halbmann”. Mora em Balneário Camboriú, Santa Catarina, com a esposa Gabriela. 

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X