Uma máquina de extinguir ternuras (e outras crônicas)

5, jul, 2021 | Artigos | 0 Comentários

Por Alexandre Soares Silva

Tem um tipo muito característico que, sempre que vê uma manifestação de sentimento de ternura voltado a cachorros, fica aflito pensando em crianças para adoção. As duas coisas estão ligadas na mente dele: você fala “ca-“, ele berra “criança”. É como se houvesse uma guerra entre cachorros e crianças na mente dessa pessoa. Para aumentar os sentimentos de ternura dos outros em relação a crianças ele não se esforça nem metade do quanto se esforça para diminuir o sentimento de ternura dos outros em relação a cachorros. Não aparece em posts sobre surfe ou compra de tapetes persas, quando poderia muito bem sugerir que o dinheiro e o tempo das pessoas fossem gastos com crianças no lugar de serem gastos com surfe e tapetes persas. É invariavelmente quando falam de cachorros que ele aparece e manda parar tudo. E se você parar, está tudo bem; ele não vai continuar falando de criança. Não me arrisco a imaginar os motivos disso, se foi mordido na infância por um lhasa apso sapeca ou o quê; mas sob a aparência dos bons sentimentos esse tipo de sujeito é só uma máquina de extinguir ternura.

Assine a newsletter do escritor Alexandre Soares Silva e receba crônicas como esta todos os domingos: https://bit.ly/3zQtcQ3 

*****

Se um pensamento foi pensado de forma viva, vai ser exprimido por si só numa forma adequada, mesmo se o escritor é semiletrado: ele foi pensado com uma espécie de eletricidade que o molda numa forma perfeita. Mas se o desejo do escritor foi primeiro escrever algo bonito, e só depois tentou arranjar um pensamento que coubesse na forma, a forma mesma vai ser insípida, desagradável, murcha – e, o pior dos defeitos, poética no sentido de “poética”.

*****

O escritor que, por modéstia, fala mal de algo que escreveu, fala mal de nós por termos gostado do que escreveu. Nesse caso, nada mais rude que a modéstia. Mas o escritor que se gaba do que escreveu nos gaba por termos gostado do que escreveu: como a vaidade alheia às vezes é agradável! Ela é um convite para uma sociedade secreta: a muito seleta de nós que me amamos.

Leia gratuitamente os dois primeiros capítulos do livro “O Homem que Lia os Seus Próprios Pensamentos”, de Alexandre Soares Silva: https://bit.ly/3pVfFBr​

Inscreva-se em nosso canal do Telegram: https://t.me/editoradanubio 

Artigos recentes

História mal contada (conto)

Aos 55 anos, Quatro-Ventas já furara muito bucho de cabra metido a pirracento, que o desafiava a trocar sopapos no salão de dona Filomena Tavares ou na bodega de seu Josias Albuquerque.

Um católico sem porrete na mão

Sou cristão e católico e basta. Nem tradicionalista, nem progressista, liberal ou conservador. Católico sem porrete na mão e sem catolicômetro. Vir catholicus, no sentido franciscano de universalidade, plenitude, totalidade e integralidade, Para além dos opostos e dos antagonismos humanos e meramente humanos.

Natália (conto)

Olhando-a de frente, como se esperasse por alguma coisa, constatou: não era a mesma de uma semana atrás; havia naqueles grandes olhos castanhos um quê de fatalidade, de renúncia, de incerteza.

O Homem que Lia os Seus Próprios Pensamentos

R$59,00

Apenas 1 em estoque

Detalhes do autor

Alexandre Soares Silva

Alexandre Soares Silva

Alexandre Soares Silva nasceu em 1968. Publicou três romances, A Coisa Não-DeusMorte e Vida Celestina e A Alma da Festa, além de uma coletânea de ensaios, A Humanidade é uma Gorda Dançando em um Banquinho. Trabalha como roteirista e vive em São Paulo.

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X