Uma Comédia Bestial

9, fev, 2021 | Artigos | 0 Comentários

Por Fábio Gonçalves

 
Balzac se deu ao luxo de escrever uma bastante realista comédia humana porquanto, naqueles tempos, ainda tinha o privilégio de conviver com seres humanos – por baixos e mesquinhos que fossem. Quem queira hoje se meter em semelhante empreitada acabará escrevendo, por força das circunstâncias, um bestiário cômico, ou uma comédia bestial.
 
 
E julguem se não é mesmo uma sociedade zoológica essa em que se torna pop star espiritual um homem que, com muita concentração, com meditação búdica, consegue ouvir o que diz a própria cachola e — glória das glórias — é capaz de comunicar tão rara percepção aos demais homens-feras.
 
Soares Silva conta essa e muitas outras histórias com o humor escrachado de uma esquete do Monty Python, com algo do surrealismo do teatro de Beckett, mas sem perder jamais a profundidade reflexiva do observador arguto. Quer dizer, o autor se traveste de mestre de cerimônia circense e apresenta, dentro desse picadeiro extravagante como o dos britânicos do século XIX, com seus pigmeus, crianças brâmanes, capoeiristas e elefantes da Somália, dramas sérios do homem-bicho contemporâneo.
 
Mas vale nota: Soares Silva é mordaz sem ranhetice. Não é o crítico social piegas, dos que esculacham tal ou qual grupo social com afetação maliciosa, só para, no fim das contas, provar que esse ou aquele sistema é menos corrompido que o outro. Soares encara a selvageria dos nossos tempos com o distanciamento do grande escritor. Distanciamento que se marca antes por um meio-tom: não é o Prometeu a querer levar luz aos brutos; nem o misantropo azedo comemorando o fim da raça humana.
 
É, no fim, desde seu apê na Vila Madá, um eremita que debocha – mas debocha porque, pelo riso, se apieda.
 
Inscreva-se em nosso canal no Telegram: https://t.me/editoradanubio
Artigos recentes

O Perenialismo Guenoniano e suas Ramificações

Com o contato mais frequente e fácil entre as culturas, começou a surgir a presunção de codificá-las todas de uma forma científica ou filosófica. Daí surgiram as religiões comparadas, os esoterismos mais variados e a iniciativa mais bem sucedida de todas: o perenialismo guenoniano e suas ramificações.

A Luta dos Conservadores

Se os conservadores lutarem pela vida e direitos básicos de todos os cidadãos (contra lockdown, máscaras, pelo tratamento precoce) isso naturalmente incluirá a liberdade de expressão dos conservadores. Mas terá a vantagem de chamar a atenção para uma necessidade geral do brasileiro.

Fábio Gonçalves: O Nascimento de um Escritor

A ficção de Fábio Gonçalves é tão solidamente ancorada na realidade que acaba por se confundir com a própria realidade. Depois de ler Um Milagre em Paraisópolis, passei a acreditar piamente que o autor havia nascido e crescido na famosa favela paulistana. Mas isso não é verdade

O Homem que Lia os Seus Próprios Pensamentos

R$59,00 R$43,90

Em estoque

Detalhes do autor

Fábio Gonçalves

Fábio Gonçalves nasceu em 1990. Professor de História e Redação. Jornalista e articulista. Escreveu para o site Estudos Nacionais; atualmente colabora no jornal Brasil Sem Medo. É autor da novela Um Milagre em Paraisópolis. Casado com a Ana Beatriz, pai do Pedro Augusto. Mora em Diadema.

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X