O eclipse da Igreja

5, maio, 2021 | Artigos | 0 Comentários

 
Por Arcebispo Carlo Maria Viganò
 

De 6 a 8 de maio de 2021, acontecerá a quinta Conferência Internacional do Vaticano, intitulada Explorando a Mente, o Corpo e a Alma. União para prevenir e união para curar. Uma Iniciativa Global de Saúde: Como a inovação e os novos sistemas de entrega melhoram a saúde humana. O evento está sendo organizado pelo Conselho Pontifício para a Cultura, Cura Foundation, pela Science and Faith Foundation e pela Stem for Life.

Michael Haynes, do LifeSiteNews, relatou (aqui) os tópicos a serem abordados e os participantes, incluindo o infame Anthony Fauci, cujos escandalosos conflitos de interesse não o impediram de assumir a gestão da pandemia nos Estados Unidos; Chelsea Clinton, uma seguidora da Igreja de Satanás e uma forte defensora do aborto; o guru da Nova Era Deepak Chopra; Dame Jane Goodall, ambientalista e especialista em chimpanzés; os CEOs da Pfizer e Moderna; representantes da Big Tech; e uma série de abortistas, malthusianos e globalistas conhecidos do público em geral. A conferência recrutou cinco jornalistas proeminentes para serem moderadores, que são exclusivamente de veículos de mídia de esquerda, como CNN, MSNBC, CBS e Forbes.

Esta Conferência – junto com o Conselho para o Capitalismo Inclusivo de Lynn Forester de Rothschild, o Pacto Global sobre a Educação e o Panteão inter-religioso a ser realizado em junho em Astana, Cazaquistão – é a enésima escandalosa confirmação de um perturbador abandono da atual Hierarquia, e em particular de seus membros romanos mais elevados, da ortodoxia católica. A Santa Sé renunciou deliberadamente à missão sobrenatural da Igreja, tornando-se serva da Nova Ordem Mundial e do globalismo maçônico em um contra-magistério anticristão. Os mesmos Dicastérios Romanos, ocupados por pessoas ideologicamente alinhadas com Jorge Mario Bergoglio e protegidas e promovidas por ele, agora continuam incontidas em seu trabalho implacável de demolir a Fé, a Moral, a disciplina eclesiástica e a vida monástica e religiosa, num esforço tão vão quanto sem precedentes para transformar a Noiva de Cristo em uma associação filantrópica escravizada aos Poderes Fortes. O resultado é a sobreposição sobre a verdadeira Igreja de uma seita de Modernistas heréticos e depravados que pretendem legitimar o adultério, a sodomia, o aborto, a eutanásia, a idolatria e qualquer perversão do intelecto e da vontade. A verdadeira Igreja agora está eclipsada, negada e desacreditada por seus próprios Pastores, traída até mesmo por aquele que ocupa o trono mais alto.

O fato de a Igreja das profundezas ter conseguido eleger o seu próprio membro para levar a cabo este desígnio infernal de acordo com o deep state já não é uma mera suspeita, mas um fenómeno sobre o qual é agora necessário interrogar e esclarecer. A submissão da Cathedra veritatis aos interesses da elite maçônica manifesta-se em todas as suas evidências, no silêncio ensurdecedor dos Sagrados Pastores e na perplexidade do Povo de Deus, abandonado a si mesmo.

Outra demonstração dessa libido serviendi degenerada do Vaticano em relação à ideologia globalista é a escolha de palestrantes para dar depoimentos e palestras: partidários do aborto, do uso de material fetal em pesquisas, do declínio demográfico, da agenda LGBT pan-sexual, e por último, mas não menos importante, da narrativa de Covid e as chamadas vacinas. O cardeal Ravasi, presidente do Pontifício Conselho para a Cultura, é certamente um dos principais representantes da Igreja profunda e do progressismo modernista, além de defensor do diálogo com a infame seita maçônica e promotor do famoso Pátio dos Gentios. Portanto, não é surpreendente que entre os organizadores do evento esteja a Fundação Stem for Life, que orgulhosamente se define como “uma organização não sectária, apartidária, isenta de impostos e focada na criação de um movimento para acelerar o desenvolvimento de terapias celulares”.

Olhando mais de perto, o sectarismo e partidarismo da Conferência do Vaticano são evidenciados pelo tema que aborda, as conclusões que busca tirar, seus participantes e seus patrocinadores. Mesmo a imagem escolhida para promover a Conferência é extremamente eloqüente: um close-up do afresco da Criação de Michelangelo no teto da Capela Sistina, em que a mão de Deus Pai se estende em direção à mão de Adão, mas com ambas as mãos cobertas por material descartável luvas cirúrgicas, relembrando os regulamentos da nova “liturgia da saúde” e sugerindo que até o próprio Senhor poderia espalhar o vírus.

Nessa representação sacrílega, a ordem da Criação é subvertida em anticriação terapêutica, na qual o homem se salva e se torna o autor louco de sua própria “redenção” de saúde. Em vez da pia purificadora do Batismo, a religião Covid propõe a vacina, portadora de deficiência e morte, como único meio de salvação. Em vez de Fé na Revelação de Deus, encontramos superstição e o assentimento irracional a preceitos que nada têm de científico sobre eles, com ritos e liturgias que imitam a verdadeira Religião em uma paródia sacrílega.

Essa escolha de imagens soa aberrante e blasfema, pois usa uma imagem conhecida e evocativa para insinuar e promover uma narrativa falsa e tendenciosa que diz que na presença de uma gripe sazonal, cujo vírus ainda não foi isolado de acordo com os postulados de Koch (aqui) e que pode ser efetivamente curada com os tratamentos existentes, é necessário administrar vacinas que se admitem ineficazes e que ainda estão em fase de experimentação, com efeitos colaterais desconhecidos, e cujos produtores obtiveram um escudo criminal de imunidade para sua distribuição. As vítimas imoladas no altar Moloch da saúde, de crianças desmembradas no terceiro mês de gravidez para produzir o soro do gene às milhares de pessoas que foram mortas ou mutiladas, não param a máquina infernal da Big Pharma, e é de se temer que haja um ressurgimento do fenômeno nos próximos meses.

A Conferência, obviamente, cuidará muito de não mencionar, mesmo que indiretamente, o perene ensinamento do Magistério sobre as questões morais e doutrinais da maior importância. Por outro lado, o elogio bajulador da mentalidade mundana e da ideologia dominante será a única voz, junto com o repertório ecumênico amorfo inspirado na Nova Era.

Observo que em 2003 o mesmo Conselho Pontifício para a Cultura condenou a meditação ioga e, de maneira mais geral, a Nova Era considerada incompatível com a fé católica. De acordo com o documento do Vaticano, o pensamento da Nova Era:

“compartilha com vários grupos de influência internacional o objetivo de substituir ou transcender religiões particulares a fim de criar espaço para uma religião universal que possa unir a humanidade. Intimamente relacionado a isso está um esforço muito concentrado por parte de muitas instituições para inventar uma Ética Global, uma estrutura ética que refletisse a natureza global da cultura, economia e política contemporâneas. Além disso, a politização das questões ecológicas certamente colore toda a questão da hipótese de Gaia ou adoração da mãe terra ”(2.5).

Nem é preciso dizer que as cerimônias pagãs com as quais a Basílica de São Pedro foi profanada em homenagem ao ídolo da pachamama se encaixam perfeitamente nessa “politização das questões ecológicas” denunciada pelo documento do Vaticano de 2003 e que hoje é promovida sine glossa pelo tal do magistério bergogliano, começando com Laudato Sì e Fratelli Tutti.

Em La Salette, Nossa Senhora nos avisou: “Roma perderá a fé e se tornará a sede do Anticristo”. Não será a Santa Igreja, indefectível pelas promessas de Cristo, que perderá a Fé: será a seita que ocupa a Sé do Santíssimo Pedro e que hoje vemos propagando o anti-evangelho da Nova Ordem Mundial. Já não é possível calar-se, porque hoje o nosso silêncio nos faria cúmplices dos inimigos de Deus e da raça humana. Milhões de fiéis estão revoltados com os inúmeros escândalos dos Pastores, com a traição de sua missão, com a deserção daqueles que pelas Ordens sagradas são chamados a testemunhar o Santo Evangelho e não a apoiar o estabelecimento do reino do Anticristo .

Peço aos meus Irmãos no Episcopado, aos sacerdotes, aos religiosos e, de modo particular, aos fiéis leigos que se vêem traídos pela Hierarquia, que levantem a voz para expressar com espírito de verdadeira obediência a Nosso Senhor, Cabeça da Corpo Místico, uma denúncia firme e corajosa desta apostasia e de seus autores. Convido a todos a rezar para que a Divina Majestade seja movida pela compaixão e intervenha em nosso auxílio. A Santíssima Virgem, terribilis ut castrorum acies ordinata, interceda perante o Trono de Deus, compensando com os seus méritos a indignidade dos seus filhos que a invocam com o glorioso título de Auxilium Christianorum.

+ Carlo Maria Viganò, arcebispo

20 de abril de 2021
Feria Tertia infra Hebdomadam II
post Octavam Paschae

 
Inscreva-se em nosso canal no Telegram: https://t.me/editoradanubio
 
Siga-nos também no Instagram: https://www.instagram.com/danubioeditoraa/ 

Artigos recentes

Os Robespierres da Saúde Pública

Proponho ao leitor um pequeno teste. Qual era o nome do órgão de governo estabelecido pelos revolucionários franceses no 17º germinal do ano I (isto é, 6 de abril de 1793)? Isso mesmo, adivinhaste: Comitê de Saúde Pública.

A Literatura dos Lugares Feios

Preciso escrever sempre em lugares feios. Escrever é formar uma aura de palavras à minha volta para poder suportar a vida, uma espécie de corpo verbal entre o corpo físico e o astral, como um enfeite, como uma armadura. Se estou num lugar bonito, escrever pra quê?

Modernidade e Racionalismo

Na visão racionalista, a sabedoria histórica é freqüentemente vista com desprezo e o passado como um obstáculo a ser superado. O ideal racionalista é o ideal de uma mente desprendida, independente, que se auto-sustenta e se autofundamenta na razão, não precisando do amparo dos costumes, herança cultural e tradição.

Vírus e Leviatã

R$32,00

Em estoque

Detalhes do autor

Arcebispo Carlo Maria Viganò

Carlo Maria Viganò é arcebispo da Igreja Católica. Serviu como Núncio Apostólico nos Estados Unidos de 19 de outubro de 2011 a 12 de abril de 2016. Anteriormente, atuou como Secretário-Geral do Estado da Cidade do Vaticano de 16 de julho de 2009 a 3 de setembro 2011. 

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X