A ilusão do jornalismo imparcial

18, maio, 2021 | Artigos | 0 Comentários

 
Por Cristian Derosa
 

A ilusão de um jornalismo imparcial, que espelhe a realidade, é uma das maiores culpadas pelo relativismo que instrumentalizou abertamente os jornais para fins de transformação social.

A partir daí, diante da hegemonia dessa nova função militante, muitos recorrem à velhas ilusões de imparcialidade ou neutralidade como um porrete contra os militantes. Estes apenas riem disso tudo. A esquerda sempre teve razão quando foi a primeira a dizer (ou a monopolizar o discurso) de que a informação pura pretensamente neutra é uma forma de manipulação. A verdadeira informação precisa ser contextualizada e inserida em uma narrativa que sintetize, para o grande público, a realidade a partir de uma base intelectual profunda anterior.

A questão, portanto, não é fazer jornalismo imparcial, de “informação pura”, mas QUEM vai contextualizar corretamente e para qual base intelectual orientadora. Como só a esquerda forneceu essa base interpretativa, permanece o vácuo de contextualização. Mas o antídoto para isso já está disponível graças às redes sociais. É tudo uma questão de organizá-la e adaptá-la à linguagem jornalística. Trabalho fácil que, porém, poucos (ou ninguém) estão empenhados em fazer.

Um dos passos iniciais para compreender o necessário a essa tarefa está no meu curso O Cair das Máscaras, disponível para assinantes do Estudos Nacionais.

 
Entrevista de Cristian Derosa em nosso canal do Youtube: https://youtu.be/SwJSAJI9jYQ
 
Inscreva-se em nosso canal no Telegram: https://t.me/editoradanubio
 
Siga-nos também no Instagram: https://www.instagram.com/danubioeditoraa/  

Artigos recentes

Os Robespierres da Saúde Pública

Proponho ao leitor um pequeno teste. Qual era o nome do órgão de governo estabelecido pelos revolucionários franceses no 17º germinal do ano I (isto é, 6 de abril de 1793)? Isso mesmo, adivinhaste: Comitê de Saúde Pública.

A Literatura dos Lugares Feios

Preciso escrever sempre em lugares feios. Escrever é formar uma aura de palavras à minha volta para poder suportar a vida, uma espécie de corpo verbal entre o corpo físico e o astral, como um enfeite, como uma armadura. Se estou num lugar bonito, escrever pra quê?

Modernidade e Racionalismo

Na visão racionalista, a sabedoria histórica é freqüentemente vista com desprezo e o passado como um obstáculo a ser superado. O ideal racionalista é o ideal de uma mente desprendida, independente, que se auto-sustenta e se autofundamenta na razão, não precisando do amparo dos costumes, herança cultural e tradição.

Vírus e Leviatã

R$32,00

Em estoque

Detalhes do autor

Cristian Derosa

Mestre em jornalismo pela UFSC e autor dos livros: “A transformação social: como a mídia de massa se tornou uma máquina de propaganda”(2016), “Fake News: quando os jornais fingem fazer jornalismo”(2019) e Fanáticos por poder: esquerda, globalistas, China e as reais ameaças além da pandemia (2020). Editor e colunista do site Estudos Nacionais e aluno do Seminário de Filosofia de Olavo de Carvalho.

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X