Como acompanhar as notícias

19, abr, 2021 | Artigos | 0 Comentários

 
Por Cristian Derosa
 
 

A facilidade com que nos mostramos indignados com coisas pequenas, efêmeras e limitadas a aspectos muito secundários da vida, denuncia qual é o nosso modo de pensar e a fonte das nossas informações.

Quem está diariamente diante das notícias, seja da grande mídia ou mesmo da mídia independente, tem a impressão de estar informado. No fundo está apenas se desligando do concreto e ligando-se ao efêmero. Alguém lembra de uma notícia lida na última semana? Certamente não. No entanto, se ao invés de buscarmos notícias mais recentes com avidez de viciados no Twitter, dedicássemos mais tempo à leitura de livros ou à conversa com amigos sobre dramas profundos de nossas vidas, talvez pudéssemos entender melhor o verdadeiro alcance de uma notícia, por exemplo, sobre o mais novo escândalo envolvendo algum político. Saberíamos que aquele fato é tão efêmero quanto ilusório, fruto de uma parcela ínfima da realidade, que poderia nos tomar o tempo por talvez alguns segundos.

Como jornalista, experimento períodos de grande atenção às novidades noticiosas. Certa vez, porém, resolvi me afastar para ler os livros que sentia que precisava e que não estava tendo tempo. Cerca de alguns meses depois, em conversa com amigos sobre as notícias mais recentes, sobre as quais eu pouco ou nada sabia, percebi que a apreensão e interpretação deles era incrivelmente superficial e eu, apesar de distante das notícias, entendia muito melhor o contexto em que elas haviam ocorrido.

 
Entrevista de Cristian Derosa em nosso canal do Youtube: https://youtu.be/SwJSAJI9jYQ
 
Inscreva-se em nosso canal no Telegram: https://t.me/editoradanubio

Artigos recentes

Os Robespierres da Saúde Pública

Proponho ao leitor um pequeno teste. Qual era o nome do órgão de governo estabelecido pelos revolucionários franceses no 17º germinal do ano I (isto é, 6 de abril de 1793)? Isso mesmo, adivinhaste: Comitê de Saúde Pública.

A Literatura dos Lugares Feios

Preciso escrever sempre em lugares feios. Escrever é formar uma aura de palavras à minha volta para poder suportar a vida, uma espécie de corpo verbal entre o corpo físico e o astral, como um enfeite, como uma armadura. Se estou num lugar bonito, escrever pra quê?

Modernidade e Racionalismo

Na visão racionalista, a sabedoria histórica é freqüentemente vista com desprezo e o passado como um obstáculo a ser superado. O ideal racionalista é o ideal de uma mente desprendida, independente, que se auto-sustenta e se autofundamenta na razão, não precisando do amparo dos costumes, herança cultural e tradição.

O Elogio do Conservadorismo

R$89,90

Fora de estoque

Detalhes do autor

Cristian Derosa

Mestre em jornalismo pela UFSC e autor dos livros: “A transformação social: como a mídia de massa se tornou uma máquina de propaganda”(2016), “Fake News: quando os jornais fingem fazer jornalismo”(2019) e Fanáticos por poder: esquerda, globalistas, China e as reais ameaças além da pandemia (2020). Editor e colunista do site Estudos Nacionais e aluno do Seminário de Filosofia de Olavo de Carvalho.

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X