É preciso comer para viver

22, set, 2021 | Artigos | 0 Comentários

 
Por Léon Bloy
 

Não peço outra coisa senão comer – disse um pobre-diabo. – Ainda que a vida não me seja doce, é preciso que eu tenha qualquer coisa para meter entre os dentes. Os cães comem e vivem. Aqueles que não têm a sorte de serem servidos por um dono alimentam-se, de qualquer forma, dos excelentes refugos bastantes à sua vida de cão. Comigo não se dá o mesmo. Tenho a infelicidade de pertencer à raça humana e de ser prendado de uma fronte sublime que deve fixar continuamente os astros. Falta-me o faro e há muita coisa difícil de engolir.

Ouvi falar que havia outrora uma Carne para os pobres e que os famintos tinham o recurso de comer Deus para viver eternamente. Em tempos muito antigos, os homens arrastavam-se, chorando as lágrimas do Paraíso, de uma capela de confissão a uma cripta de mártir e de um santuário miraculoso a uma basílica cheia de glória, por rotas apinhadas de peregrinos que mendigavam o Corpo do Salvador. Esse alimento único bastava a alguns bem-aventurados cuja debilidade tinha o poder de curar todas as debilidades e, às vezes, de ressuscitar os mortos. Tudo isso vai longe, terrivelmente longe…

Hoje o Burguês tomou o lugar de Jesus, e mesmo os porcos recuariam diante de seu corpo!

 
Tradução: Alexandre Müller Ribeiro
 
Inscreva-se em nosso canal no Telegram: https://t.me/editoradanubio

Artigos recentes

A Rússia é comunista em segredo?

A Rússia ainda é a pátria do socialismo. Putin não é um nacionalista, mas sim um comunista. O Kremlin não queria que Trump fosse presidente. Eles queriam Clinton, e estão formando a AOC para o futuro. O Kremlin, na verdade, mente sobre tudo, mesmo quando não há razão aparente para mentir. Com o tempo, é claro, as razões entrarão em foco.

A Beleza da Forma Literária

As formas de composição em verso e em prosa praticadas em cada língua são organizações adicionais de palavras, e possuem valores formais. A mais rigorosa destas formas e a que foi levada à máxima perfeição é o drama.

O que perde os grandes homens é a ambição

Saber o que o Burguês entende por um grande homem não é a coisa mais
fácil deste mundo. Qualquer um pensaria que, a seus olhos, o maior dos homens haveria de ser o que tem mais dinheiro. Ora, isso é apenas uma opinião plausível. Mas a coisa não é bem assim.

Exegese dos Lugares-Comuns

R$72,00

Em estoque

Detalhes do autor

Léon Bloy

León Bloy (1846-1917) foi um romancista e ensaísta francês, grande prosador, considerado um dos maiores polemistas do seu tempo. 

Entre suas principais obras estão os romances Le Désespére (1887) e La Femme Pauvre (1897); além de dezenas de ensaios sobre temas culturais e religiosos.  

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X