O que perde os grandes homens é a ambição

26, nov, 2021 | Artigos | 0 Comentários

 
Por Léon Bloy
 

Saber o que o Burguês entende por um grande homem não é a coisa mais fácil deste mundo. Qualquer um pensaria que, a seus olhos, o maior dos homens haveria de ser o que tem mais dinheiro. Ora, isso é apenas uma opinião plausível. Mas a coisa não é bem assim.

Acima do homem que tem muito dinheiro, há aquele que faz medo, detentor do poder de tomar o dinheiro dos outros e de lhes dar, em troco, um pontapé no traseiro. Este é incontestavelmente um grande homem.

Contudo, existe um terceiro que é, ouso dizê-lo, maior ainda. Seguramente, é o maior dos homens. É ele quem vinga o Burguês dessa Verdade ofensiva de que falei antes. Um tal vitorioso, compreende-se, não tem necessidade de ser rico nem de espalhar o terror. Pouco importa que se chame Renan ou Voltaire. Mesmo que se trate apenas de um pedante malnascido, de um mísero e esfarrapado apóstata, já será o Cipião dessa Cartago de luz que se precisa destruir. A ambição do Burguês, se tivesse alguma, seria a de dividir a glória desse soldado imortal, de pesadas manoplas e que, junto ao grande Pontífice, nas manhãs de Sexta-feira Santa, esbofeteia o Cristo agrilhoado.

Mas que quer de nós este lugar-comum, com sua ambição desastrosa? É o que me pergunto. Se há algo que falta essencialmente ao Burguês, é a Grandeza, a qual ele aborrece. Ele não pode, portanto, perder-se por esse motivo, e o lugar-comum que ora nos empece foi decerto colocado em circulação por homens muito pequenos, que desejavam impô-lo.

 

Tradução: Alexandre Müller Ribeiro

 
Inscreva-se em nosso canal no Telegram: https://t.me/editoradanubio

Artigos recentes

A sabedoria do romancista

Qual a importância da sabedoria num romance? É possível que um tolo completo seja um grande romancista? Tolstói agiu como um tolo a vida inteira; e na verdade se torcerem meu braço não sou capaz de dizer um grande romancista que agisse como um sábio.

Os Alienígenas do Presente

A hierarquia do Ser é totalmente desconhecida pelo homem contemporâneo. A falta de instrução religiosa (a catequese virou uma palhaçada piegas) tornou as multidões ignorantes um alvo fácil para toda sorte de pirotecnia ocultista. Ninguém mais entende nada sobre os planos divino, espiritual e psíquico.

A universidade medieval e a contemporânea

Sócrates, que era um grande professor, não oferecia diplomas, e o estudante moderno que sentasse aos seus pés durante três meses exigiria um certificado, algo tangível e externo que pudesse exibir como uma vantagem do seu estudo ― aliás, esse seria um excelente tema para um diálogo socrático.

Exegese dos Lugares-Comuns

R$72,00

Em estoque

Detalhes do autor

Léon Bloy

León Bloy (1846-1917) foi um romancista e ensaísta francês, grande prosador, considerado um dos maiores polemistas do seu tempo. 

Entre suas principais obras estão os romances Le Désespére (1887) e La Femme Pauvre (1897); além de dezenas de ensaios sobre temas culturais e religiosos.  

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X