A Beleza da Forma Literária

1, dez, 2021 | Artigos | 0 Comentários

 
Por George Santayana

 

Este texto é um trecho do livro O Sentimento da Beleza 

 

As formas de composição em verso e em prosa praticadas em cada língua são organizações adicionais de palavras, e possuem valores formais. A mais rigorosa destas formas e a que foi levada à máxima perfeição é o drama; mas a investigação da natureza desses efeitos é algo que diz respeito à retórica e à poética, e o princípio que está na base deles já indicamos aqui suficientemente. O enredo, que Aristóteles afirma ser, e com muita justiça, o mais importante elemento dos efeitos de um drama, é o elemento formal do drama enquanto tal: o ethos e os sentimentos são a expressão; e a versificação, a música e o palco são os materiais. Está em harmonia com a tendência romântica dos tempos modernos o fato de que os dramaturgos modernos – tanto Shakespeare como Molière, Calderón e os outros – se notabilizam pelo ethos e não pelo enredo; porque é a característica evidente do gênio moderno estudar e apreciar a expressão – a sugestão daquilo que não nos é dado – ao invés da forma, a harmonia daquilo que nos é dado.

O ethos é interessante sobretudo por causa das observações pessoais que sintetiza e revela, ou por causa da atração que exerce sobre a experiência real ou imaginária de qualquer indivíduo; ele pinta um retrato, e salvaguarda alguma coisa que amamos independentemente do encanto que neste momento e neste lugar exerça sobre nós. O que ele faz é atrair o nosso afeto, e não criá-lo. Mas o enredo é a síntese das ações, e é uma reprodução daquelas experiências das quais a nossa noção dos homens e das coisas originalmente deriva; porque não se pode observar uma personagem no mundo, exceto quando manifestada na ação.

Com efeito, seria mais fundamentalmente exato dizer que uma personagem é um símbolo e uma abreviação mental de um conjunto particular de atos, do que dizer que os atos são uma manifestação da personagem, porque os atos são os dados, e a personagem é o princípio inferido, e um princípio, apesar do seu nome, nunca é mais do que uma descrição a posteriori, e um resumo do que está subsumido nele. Ademais, o enredo é o que proporciona à peça a sua individualidade, e exercita a invenção; é, como Aristóteles novamente nos diz, a parte mais difícil da arte dramática, e aquela para a qual a prática e a educação são mais indispensáveis. E este enredo, uma vez que por sua natureza oferece uma imagem da experiência humana, envolve e sugere o ethos dos seus atores.

O que os grandes criadores de personagens, como Shakespeare, fazem é simplesmente elaborar e desenvolver (talvez muito além das necessidades do enredo) a sugestão de individualidade humana que o enredo contém. É como se, uma vez extraído da observação diária algum conhecimento sobre os temperamentos dos nossos amigos, representássemo-los dizendo e fazendo toda sorte de coisas que lhes são mais características, e revelando em um solilóquio ocasional, ainda mais claramente do que por meio de qualquer ação possível, aquele personagem que a observação do comportamento deles nos levou a lhes atribuir. Esta é uma invenção engenhosa e fascinante, e nos deleita com a clara descoberta de uma personalidade oculta; mas o desenvolvimento sério e uniforme de um enredo tem um valor mais estável na sua maior semelhança com a vida, que nos permite ver o espírito de outros homens através dos eventos, e não os eventos através do espírito de outros homens.

 

 

Tradução: Nilton Ribeiro
 
Inscreva-se em nosso canal no Telegram: https://t.me/editoradanubio
 
Siga-nos também no Instagram: https://www.instagram.com/danubioeditoraa/ 

Artigos recentes

A sabedoria do romancista

Qual a importância da sabedoria num romance? É possível que um tolo completo seja um grande romancista? Tolstói agiu como um tolo a vida inteira; e na verdade se torcerem meu braço não sou capaz de dizer um grande romancista que agisse como um sábio.

Os Alienígenas do Presente

A hierarquia do Ser é totalmente desconhecida pelo homem contemporâneo. A falta de instrução religiosa (a catequese virou uma palhaçada piegas) tornou as multidões ignorantes um alvo fácil para toda sorte de pirotecnia ocultista. Ninguém mais entende nada sobre os planos divino, espiritual e psíquico.

A universidade medieval e a contemporânea

Sócrates, que era um grande professor, não oferecia diplomas, e o estudante moderno que sentasse aos seus pés durante três meses exigiria um certificado, algo tangível e externo que pudesse exibir como uma vantagem do seu estudo ― aliás, esse seria um excelente tema para um diálogo socrático.

O Sentimento da Beleza

R$63,00

Em estoque

Detalhes do autor

George Santayana Filósofo

George Santayana

George Santayana, pseudônimo de Jorge Agustín Nicolás Ruiz de Santayana y Borrás (Madri, 16 de dezembro de 1863 — Roma, 26 de setembro de 1952), foi um filósofo, poeta, humanista. Nascido na Espanha, foi criado e educado nos Estados Unidos, porém sempre também manteve seu passaporte espanhol. Santayana, que se identificava como norte-americano, escreveu sua obra em inglês e é geralmente considerado parte da intelectualidade daquele país. Aos quarenta e oito anos de idade, deixou seu posto em Harvard e retornou à Europa permanentemente.

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X